https://rupinup.com/lackyjetpin uphttps://mostbet-cazino.kz/1win slot

Produtores avançam na colheita do milho

Com produtividades históricas em algumas Unidades, e quedas produtivas em outras devido interferências climáticas, principalmente nas regiões de Goioerê, Brasilândia do Sul e Formosa do Oeste, a colheita do milho segunda safra já chega a 50% da área cultivada. O período de semeadura, que em muitas áreas teve início na primeira quinzena de janeiro, possibilitou adiantamento na colheita que segue em ritmo acelerado na área de atuação da Copacol na região oeste.

Quem apostou na cultura do milho nesta safra foram os irmãos, Roque e Clarindo Maculam de Jotaesse. Em uma área de 65 alqueires, eles estão colhendo boas medias produtivas. “Com uma variedade chegamos colher 380 sacas, com outra um pouco menos, mas no geral estamos colhendo uma média de 350 sacas por alqueire, o que consideramos muito boa, mas poderia ser anda maior se não fosse a estiagem no início do ciclo, mesmo assim estamos contentes com o resultado”, destaca Roque, que além da sociedade com irmão, conta com a ajuda dos filhos, Rodrigo e Rafael nos trabalhos da fazenda.

Outro fator que culminou no bom resultado segundo ele, são as informações repassadas pela Cooperativa, que tem no CPA (Centro de Pesquisa Agrícola), uma importante fonte de informação e tecnologia, as quais ajudam nas tomadas de decisão para a escolha dos melhores materiais, e os resultados estão sendo observados a campo, com boas produtividades.

PRODUTIVIDADE

Diferente dos irmãos Maculam, Onivaldo Pomini, cooperado de Assis Chateubriand, está colhendo uma média de 200 sacas por alqueire. A lavoura foi castigada pela falta de chuva durante o ciclo no campo, o que provocou queda na produtividade, mas mesmo assim está contente com o resultado. “Sempre que colhemos a soja entramos com o milho, e nesta safra tivemos um bom arranque da lavoura, porém veio um longo período de estiagem e prejudicou o seu desenvolvimento, pensei até que não fossemos colher nada, mas agora que estamos com as máquinas no campo, estamos observando um grande resultado, considerando as interferências do clima”, destaca Onivaldo que cultiva uma área de 75 alqueires.

COOPERAÇÃO

Outra situação relatada por Onivaldo, que o deixa animado, é o fato de ter a Copacol bem próximo. “Antes tinha que transportar a produção até Jesuítas, agora temos a Copacol aqui ao nosso lado, não só para entregar a produção, mas para nos assistir no dia a dia”. Ele destaca a assistência técnica como fonte de informação e orientação para obtenção dos resultados. “Já entregava produção na Copacol, porque vejo nela muita segurança e garantia, é uma cooperativa séria sempre preocupada com o seu cooperado, agora com ela aqui ao nosso lado fico mais tranquilo para escolher o momento ideal para fixar minha produção”, comemora o produtor.

PANORAMA DE SAFRA

Maior aposta do cooperado enquanto lavoura de segunda safra, o milho é principal matéria prima para a produção de nutrição animal utilizada no sistema de integração da Copacol. O gerente técnico da Cooperativa, João Maurício Roy, destaca o avanço na colheita que já ultrapassa os 50% da área cultivada. “A antecipação da colheita se deve a vários fatores, um deles foi o período semeadura, que teve 60% da área implantada em janeiro, outro fator foram as altas temperaturas, de fevereiro e março, consideradas acima da média para este período do ano, além do déficit hídrico, fatores esses que provocaram encurtamento no ciclo da cultura”, relata.

Já com relação as produtividades, ele diz que há uma grande variação entre as Unidades, nas regiões mais altas muitas áreas estão registrando medias superiores a 300 sacas, chegando até 400, porem em outras devido as interferências do clima as produtividades estão abaixo das 200 sacas. “Ainda é cedo para calcular um média geral, porém vamos colher uma das maiores produção de milho da Cooperativa. Esse incremento de produção é proporcionado pelo aumento da área cultivada nesta safra”, conclui.

Rolar para cima